sakarya escort sakarya escort serdivan escort webmaster forum
sakarya escort adapazarı escort sakarya escort bayan escort sakarya nevşehir escort
serdivan escort hendek escort ferizli escort serdivan escort geyve escort akyazı escort karasu escort sapanca escort serdivan escort
You are currently viewing Agosto laranja: conscientização e combate à Esclerose Múltipla

Agosto laranja: conscientização e combate à Esclerose Múltipla

O que é o Agosto Laranja?

Em 2006,  a Lei Nº 11.303/2006 instituiu o dia 30 de agosto como o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla (EM). E, em 2014, a Associação AME -Amigos Múltiplos pela Esclerose criou o Agosto Laranja com o objetivo de despertar a atenção da sociedade para essa doença que, embora atinja uma média de 35 mil brasileiros, ainda é desconhecida por grande parte da sociedade.

Além de desmistificar a condição crônica da EM e fomentar o diagnóstico precoce, essa campanha também é um movimento coletivo de acolhimento e respeito pelas pessoas que convivem com a doença. A seguir, entenda mais sobre o assunto.

O que é Esclerose Múltipla?

A Esclerose Múltipla é uma doença crônica, autoimune que afeta o sistema nervoso central (encéfalo e medula espinhal), por meio de um processo inflamatório. Quando não tratada, a doença impede a transmissão de mensagens do cérebro para diversas partes do corpo.

Há dois tipos de EM:

  • Esclerose Múltipla remitente-recorrente (EMRR): atinge cerca de 85% dos casos. Os sintomas se manifestam por um tempo, então há um quadro de melhora, seguido por outro período de remissão.
  • Esclerose Múltipla primariamente progressiva (EMPP): atinge cerca de 15% dos casos. Os sintomas são progressivos, com uma evolução de disfunção do sistema nervoso. Muitas pessoas são diagnosticadas com a EMRR, no entanto, no decorrer do tempo, o quadro evolui para uma EMSP – isto é, Esclerose Múltipla secundariamente progressiva.

Quais são as causas?

Ainda não se sabe a causa exata da EM. Estudos mostram que múltiplos fatores ambientais e genéticos estão relacionados com a doença.

Entre os fatores ambientais estão: agentes virais, como o herpesvírus; imaturidade do sistema imunológico; e baixos níveis sanguíneos de vitamina D. Já os fatores genéticos englobam mais de 100 genes que aumentam o risco de desenvolvimento da EM. 

Justamente por não possuir uma causa exata, o diagnóstico precoce é tão importante. No mundo, 2.5 milhões de pessoas são atingidas pela EM, em sua maioria, pessoas jovens entre 20 e 40 anos.

Quais são os sintomas?

Os sintomas dependem da área do sistema nervoso afetada. Não há manifestações características da doença, no entanto, as queixas recorrentes são: alterações visuais, fraqueza, desequilíbrio, descoordenação e distúrbios urinários. Nos estágios mais avançados, muitos pacientes apresentam alterações cognitivas, como dificuldade de memorização.

A EM possui sintomas que podem ser confundidos com os de outras patologias e ainda não existe um método direto para concluir o diagnóstico. Portanto, o neurologista faz uma análise criteriosa de diversos exames, excluindo outras possíveis causas, antes de identificar a doença.

Qual é o tratamento?

Não há cura para a EM. Entretanto, existem recursos que ajudam os portadores da doença a alcançarem qualidade de vida. Quanto mais cedo o tratamento for iniciado, maiores são as chances de controlar a progressão e a intensidade dos sintomas. Além dos medicamentos farmacológicos, a fisioterapia é uma grande aliada no tratamento da EM.

O papel da Fisioterapia no tratamento da Esclerose Múltipla

Por muito tempo, os exercícios físicos foram evitados por pessoas com EM, pois a fadiga ocasionada pela doença é muito grande. Como consequência, muitos pacientes sofriam quedas, apresentavam sinais de osteoporose e complicações.  Atualmente, os programas de reabilitação reconhecem a eficácia de treinos aeróbicos e intervenções fisioterapêuticas no alcance da independência funcional.

Desde o início da doença, o paciente pode se beneficiar da fisioterapia, inclusive aqueles que ainda não apresentam alterações funcionais. Os exercícios ajudam a minimizar a fadiga e o gasto energético durante as atividades cotidianas.

Cabe ao fisioterapeuta acompanhar cada caso e traçar um plano de exercícios, com base nas queixas e limitações do paciente. O profissional precisa estar preparado para tratar com individualidade e flexibilidade.

Que tal conhecer um pouco mais sobre a área da fisioterapia? Na UniFCV, contamos com o curso de Graduação Presencial Bacharelado em Fisioterapia. Com duração de 4 anos, o curso capacita profissionais para lidar com toda forma de movimento humano, desenvolvendo as potencialidades do paciente.

Fisioterapia é um ato de amor pela vida. E você pode fazer parte desse movimento. Venha para UniFCV.

Escolha o laranja você também

Respeito e aceitação são muito importantes para o paciente e para quem convive com ele. Por ser uma doença ainda sem cura, a EM assusta, interferindo nos relacionamentos sociais e nos quadros depressivos da pessoa diagnosticada. No entanto, as informações corretas contribuem para uma vida com mais qualidade.

Confira o vídeo produzido pela Associação AME e faça parte do movimento de conscientização, compartilhando essa matéria com a galera. Quanto mais informada a sociedade estiver, mais as pessoas com essa condição rara e de difícil diagnóstico conseguirão visibilidade para viverem com dignidade.

 

A Unifcv escolhe o laranja. E você?

Suélen Dominguês

Formada em Letras Português / Inglês. Mestre em Literatura. Professora. Redatora. Revisora. Escritora.